> Palavras não ditas.: Outubro 2010

All star vermelho...


.


Vou lhes contar uma história.
E ela inicia-se assim...

Ela era uma menina linda, uma bela criança de olhos puxados, cabelos pretos e lisos.
Passava tardes desenhando. Ela tinha o potencial de passar suas imaginações para o papel.
Pouca era as crianças que nem ela, calma, muito inteligente para sua idade.
Nos seus segredos, o que ela nunca se esquecera, era de um dia se casar com um lindo menino, de all star vermelho.

A linda menina de olhos puxados , foi crescendo, e seus sonhos foram mudando, o que antes lhe era essencial, passara a ser inútil.
Foi em um dia qualquer, que ela havia marcado com uma amiga de ir para o cinema. Ela chegou atrasada, e todos já estavam na sala. A amiga havia levado, umas quatro pessoas que ela não conhecia, mas o seu olhar se encontrou com um dos quatro que sua amiga havia levado. Ela ficou o filme todo olhando pare ele. Para a beleza que ela nunca tinha presenciado antes.

Eles foram apresentados. Mas, continuaram a se encontrar, e a amizade entre eles foi só aumentando. A cada dia. Mais e mais.
E dessa amizade surgiu, o que dizemos "as borboletas no estômago", queriam passar horas e horas juntos. Nada entre eles havia acontecido, mas , eles não ligavam. Ambos, queriam apenas perder cada minuto de seus dias, olhando um para outro, sorrindo, compartilhando segredos,
brincando, ou simplesmente fazendo nada.

Em um dia de primavera, ele ia ao encontro dela, com as mais belas orquídeas em uma de suas mãos, com o sorriso que poderia lhe fazer garoto propaganda de uma marca de pastas de dente, se ele quisesse. Enfim, ele vinha lindo, simpático, caminhando lentamente com seu all star vermelho nos pés, em direção a garota de olhos puxados.

Ela, ao ver aquela cena, passou em sua mente com um "flash", os seus sonhos e pensamentos de criança , de um dia se casar com o incrível e lindo menino de all star vermelho.

Foi naquele dia que seu sonho, dava um passo para a realidade.
O garoto de all star vermelho ao se aproximar na menina de olhos puxados.
Olhando firmemente em seus olhos, entregou-lhe as orquídeas, ajoelhou-se,
e pronunciou calmamente , quase como sussurro.

- Você quer namorar comigo?

Descanse em paz, meu amor...


.


Ali encontravam-se os sete amigos.
E uma verdade sobrenatural, que amedrontavam-os . Ao ser revelada, a verdade, veio com uma rajada de vento que parecia vir das entranhas da terra, levando as folhas mortas que corriam os túmulos. Parou rapidamente , como viera.

Em seguida a ventania veio com uma completa paz que tomou conta do cemitério.
A chuva diminuiu e uma garoa leve , perfumada, envolveu os corpos molhados daqueles amigos.

Entreolharam-se. O grupo agora era somente seis.
Alexandre não estava mais entre eles.

Márcia estava calma. Ajoelhou-se à beira do túmulo e sorriu.
Beijou ternamente a ponta dos dedos e jogou o beijo na direção do túmulo.
Num sussurro , despediu-se , como se orasse:

- Descanse em paz, meu amor ...



"Descanse em paz , meu amor" de Paulo Bandeira.
Adaptado por Ingrid Rodrigues.


"É inevitável , quando dois corações se encontram, e olhares se cruzam, o coração fica pequeno para tanto amor. Onde, a paz é encontrada na compreensão , que nem mesmo a morte foi capaz de tirar."

Ingrid Rodrigues

Aos 16...


.

... vivi o que muitas pessoas de trinta anos, ainda não viveu.

Corrige meus erros. Aprimorei minhas qualidades.
Deixei para trás todo mal que me fizeram e tudo de ruim que
me rodeava. Chorei lágrimas de amor, de tristeza e de alegria.
Conheci pessoas que levarei para minha vida inteira.
E outras que eu sei, ou não. Mas o tempo pode levar.
Assim como ele levou, 'coisas' boas, porém inesquecíveis.
"Lembranças boas não me faltarão"
Assim como ele levou, 'coisas' que eu nem quero me lembrar.
"Ainda bem que 'coisas' também se vão"
Hoje comemoro meus 17 anos e nele quero viver,
quero chorar, pular, cantar, sorrir.
E aprender o que ainda não foi aprendido.
E errar muito, pois se no final nada for concertado.
Pelo menos eu vou ter aprendido errando.
E é pra isso que estamos aqui, pra errar, aprender, concertar e VIVER.


Parabéns pra mim

20|10|2010

Aquele "NOME"


.

Aquele "NOME"

Lembro-me que quando era pequena , pra ser mais precisa com os meus oito anos, tinha em minha mente um nome. Ele era masculino. Eu o achava o nome mais lindo do mundo. O jeito como soava, como se pronunciava. Ele começava com a primeira letra do alfabeto. Era o nome que eu daria a um filho, afinal, não pensava em namorar , mas poderia ser o nome do meu esposo, como não era possível , coloquei o nome em um boneco que me pertencia, no qual havia ganhado no dia das crianças.


Mas, era um nome que tinha que pertencer a um ser vivo. E eu não conhecia ninguém com aquele nome, só um cantor, e quem não o conhecia? Ele era famoso. Mas eu queria alguém perto de mim, para eu poder repentinamente pronunciar aquele nome. Alguém que eu amasse , que eu conhecesse e que me amasse também. Foi então que a oportunidade veio, duas tias minhas estavam grávidas, quando soube, pulava de alegria. Eu era uma criança. E crianças gostam de bebês.

Recordo-me que ficava perturbando as duas , que se fosse menino, que elas colocassem o nome que eu tanto gostava. Para minha surpresa, os dois bebês eram meninos. Eu fiquei louca, afinal, criança perturba mesmo.
Ia todo dia na casa de uma delas, e falava - Tia põem esse nome. Chegava a dar raiva. Eu insistia muito. E continuei a insistir durante toda a gravidez.

Foi então que os bebês nasceram, uma das minhas tias não colocou o nome que eu tanto queria em seu filho, mas ainda havia uma chance. Minha outra tia. Mas ela não dissera , e também o bebê não nascera saudável. Ao ver minha tia aflita junto com o restante da minha família, não dei mais importância ao nome, só queria que ele ficasse bem. Pra eu brincar com ele. Crescer com ele.

Passaram-se uns tempos, e ele nem chego a viver direito, e se foi.
Fiquei muito triste, ele era tão lindo, tinha os olhos cor de céu.
Tinha a pele branquinha, cabelos lisos e escuros como a noite.
Tinha o nome mais lindo...

...o que eu escolhi para ele.

Ingrid Rodrigues

Nós dois


.

Existem milhões de coisas entre nós dois que ninguém
nunca irá saber, mesmo que soubessem
provavelmente nunca iriam entender!
"...intimidades, brincadeiras, só a gente entende.!"


(desconhecido)

Filosofia de vida.


.


“Sabe, Linus, eu tô desenvolvendo uma nova filosofia, eu só preciso suportar um dia por vez.”


(Charlie Brown)

O amor nasce...


.

... de um olhar,


cresce de um carinho, alimenta-se de um beijo, vive de um sorriso, morre de ingratidão e ressuscita de um perdão.

(desconhecido)

A Menina e o seu olhar.


.


Era um vez uma Menina com olhar firme.
Seus olhos falavam por ela, revelavam seus sonhos, demonstravam seus sentimentos.
Tinha costume em conversar usando somente um olhar. Devido a isso, havia momentos que o seu silencio falava mais, em algumas vezes seus receptores entendiam, mas não com muita frequência. Ela desejava que somente um compreendesse o que seus olhos diziam. Em momentos parece que que esse "um" entendia. Mas está fazendo um jogo.
Há Menina! Será que seus olhos não percebem esse jogo?
Vai lá ganhe!
Menina você conseguiu tirar a grade dos olhos, mas será que ainda há um cisco?
Menina de grandes amigos, de grandes sonhos... Acorde a vida é agora.
Não deixe grandes oportunidades passarem.
Há Menina dos olhos indecisos... chegou a hora de tomar decisões.
Escolhas tem que ser feitas!

Ingrid Rodrigues

Problemas?!


.




Charlie Brown: "Esse seu muro de pedras está sendo sua nova terapia, Linus. Toda vez que estiver com um problema você pode vir aqui e colocar mais uma pedra"

Linus: “Não têm tantas pedras assim no mundo, Charlie”.


Eu poderia falar para encararmos nossos problemas, mas, tem horas que eles veem pra nos testar, então é nesses momentos que temos que ter paciência , para resolve-los ou dependendo da gravidade, "estressar pra que?".
Não vamos construir um muro de problemas , por que ele pode ficar alto demais , tampando nossa visão e impedinho de vermos a realidade e de corrermos atrás de nossos sonhos.

Aprendendo...


.



Lucy: "Olhe de outra maneira, Charlie Brown, nós aprendemos muito mais das falhas do que das vitórias."


Charlie Brown: "Isto me faz a pessoa mais esperta do mundo."



“É melhor ter amado e perdido do que nunca ter amado na vida”.

Se o amanhã não vier ...


.


...eu fiz tudo que podia ter feito.
Tudo que estava ao meu alcance.
Não quero me arrepender do que não fiz
Por isso meus abraços são sempre fortes, sinceros.
Meus carinhos são profundos, intensos,
ou até mesmo meus tapas e murros, são "de querer bem".
Posso ser conhecida pelo o que for, mas, luto até o fim para que quem amo não saia da minha vida tão facilmente.
E ao sair, foi com lindas palavras.
Foi com um abraço bem apertado.
Com um beijo apaixonado.
Ou até mesmo com lágrimas de despedida que me 'auto-consolava'
Recordo-me de momentos que se eu pudesse teria gravado
para poder olhar e ouvir aquelas palavras ditas , vezes
após vezes, sem me cansar. E me deitar na cama como uma boba.
Uma boba apaixonada, por você.



Je t'aime plus qu'hier moins que demain!

Instantes


.


Quero instantes inacreditáveis , quero momentos inacabáveis, ainda quero correr muito descalça pela rua, tomar muitos sorvetes, quero cometer muitos erros, e não tentar ser perfeita, pois ela não existe, quero ir pra lugares difíceis de se achar, quero subir nas mais altas montanhas, quero ver a terra de cima.
Vou pensar menos nos problemas imaginários , e parar de sofrer por antecedência, e me focar nos problemas reais, e adquirir mais deles , afinal a vida é um problema , e eu estou aqui pra soluciona-lo.
Quero ter meus 80 anos e pensar.
" Não posso ter feito tudo, mas fiz tudo que pude fazer"


Ingrid Rodrigues