Pular para o conteúdo principal

O medo de confiar.


A ingenuidade e a credibilidade excessiva fazem tão mal quanto a desconfiança total. A primeira coisa para confiar em alguém é observar os fatos da realidade e não ficar pensando o que é ou deveria ser baseado em seus medos. Mas tão importante também é olhar o histórico
afetivo das pessoas, uma pessoa sem afeto não tem ética alguma. A pessoa sem afeto é capaz de qualquer coisa para satisfazer seu desejo imediato, passando em cima de qualquer preceito ou valor. Quem confia sem analisar antes tende a perder muito, mas quem não confia em ninguém também não constrói laços afetivos nem companheirismo. E perde muito mais. Se não nos arriscarmos a perder um pouco na vida, se tivermos a ilusão de passar pela vida sem sofrermos, sem nos enganarmos, vai ser uma vida pobre, de tristeza e de muita solidão. É necessário que todos nós trabalhemos nossas desconfianças, mas, muito mais que isso, devemos trabalhar antes tudo o medo de nós mesmos. Acredito que o ser humano é o único ser vivo do planeta que tem capacidade de se destruir e que vai muito além de se matar, pois quando ele mata em si mesmo a capacidade de amar, ele não morre sozinho, mas leva com ele todos os que o amam junto com suas esperanças.

Antônio Roberto















Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

.

Aprenda a apreciar o que você tem. Antes que o tempo faça você apreciar aquilo que tinha !

Ontem, foi ontem.

Tem horas, que não queremos de forma alguma alguém do nosso lado, pelo fato de não querermos nos sentir preso, ou por simplesmente por não querermos compromisso. Ou sonhamos acordado com a pessoa que tanto desejamos: cabelo liso, preto, loiro, alto, forte, carinhoso, olhos claros, olhos escuros ... e etc. Mas esquecemos, que a realidade é bem mais interessante que imaginações e sonhos. Pois a realidade que nos faz sentir o coração bater mais forte, que nos faz perder noites de sono de tanta felicidade - pois não conseguimos parar de pensar em tal momento- a realidade confusa, de não saber como será o amanhã, mas que nos conforta de saber que ontem, foi ontem, e que dele restou lembranças, se boas; a saudade, se ruins; o alívio que ontem, foi ontem. E não volta mais.
Rodrigues.Ingrid